Vereadores discutem obra na rua Goiânia

por Assessoria de Comunicação publicado 01/06/2016 09h36, última modificação 01/06/2016 09h36
01/06/2016

Durante a reunião Ordinária da terça-feira (31), o Vereador Sávio José (PT) falou sobre a obra na rede pluvial da rua Goiânia, localizada no bairro de Fátima, que contou com a contribuição dos moradores e recebeu o asfaltamento. O assunto foi amplamente discutido pelos Vereadores.

Sávio foi procurado por moradores, que o informaram da arrecadação de aproximadamente 12 mil reais para pagar a tubulação da rede pluvial da rua. “Eles foram informados de que a Prefeitura não teria o recurso, e que se não fizessem a rua não poderia ser asfaltada. No meu entendimento isso é errado, pois a população está contribuindo duas vezes para o Município”.

Para o Vereador Carlitos Alves dos Santos (Meio Kilo) (PSDB), Vice-presidente da Câmara, a comunidade aceitou a condição de contribuir com a obra. “Eu estive lá, conversei com um morador e ele estava bastante satisfeito. Apesar de ter contribuído, agora eles tem têm o asfalto”.

O Vereador João Januário Ladeira (João Josino) (PR) informou que na ocasião ele entrou em contato com o Secretário de Obras e foi informado de que a Prefeitura não tinha as manilhas pra fazer o serviço, e que, devido à péssima qualidade da rua, os moradores tinham urgência. “O Secretário então se reuniu com a comunidade e eles aceitaram o acordo. As manilhas que eles compraram não foram suficientes, mas chegaram manilhas da Prefeitura e o serviço foi feito. Entendo que nós pagamos os impostos e a Prefeitura é obrigada a fazer, mas nesse caso foi um acordo devido à urgência dos moradores”, explicou.

Para o Vereador Lidson Lehner (PR), muitas vezes pela necessidade de que a obra seja realizada a população acaba aceitando esse tipo de condição. A Vereadora Marilange Santana Pinto Coelho Ferreira (PV), Presidente da Casa Legislativa, lembrou que, quando morava no Córrego do Sapo, os bloquetes para pavimentação foram pagos pela Prefeitura e os moradores arcaram com a mão de obra. “Esses acordos entre a população e a Prefeitura são feitos já há muito tempo”, afirmou.

Como Presidente da Comissão de Obras e Serviços Públicos, o Vereador Helder Evangelista (Cherinho) (PTC), Secretário da Mesa Diretora, solicitou que fosse encaminhado um ofício ao Executivo solicitando uma planilha com o custo da obra, apontando o valor investido pelos moradores e pelo Município.

O Vereador Marcos Nunes (PT) aproveitou a discussão para falar sobre “um problema metodológico nas ações da Prefeitura” pois, para ele, é problemático pautar ações do Executivo com base na pressão popular.  “Quero que a Casa Legislativa entenda que só quando a pressão popular foi intensa asfaltaram essa rua. Não podemos ver as coisas serem feitas por pressão, pois acaba virando uma troca. Precisamos fazer a discussão técnica. Quando digo que a prefeitura erra em termos metodológicos, é a minha opinião, mas tenho que respeitar, pois essa pode ser a forma de governo”, comentou.

Texto e foto: Anna Gabriela Motta

Revisão: Mônica Bernardi

error while rendering plone.comments