Vereadores discutem situação financeira do Município

por Assessoria de Comunicação publicado 07/11/2018 15h05, última modificação 07/11/2018 17h41

Durante a reunião Ordinária da terça-feira (06) foi lido o Ofício n° 1009/2018, que traz as informações de que os serviços referentes ao plantão das fiscalizações de obras, posturas e tributária estão suspensos, conforme o Decreto 5.524/2018, no qual o Prefeito Ângelo Chequer (PSDB) declarou situação de emergência financeira no município de Viçosa. O documento foi enviado por Fiscais de Obras e Postura e Agentes de Fiscalização Tributária, e reforçou a preocupação externada pelos parlamentares acerca da situação.

Anteriormente haviam sido realizadas duas reuniões envolvendo os vereadores. Na quinta-feira (01) solicitada pela Vereadora Brenda Santunioni (Progressistas), que integra do Comitê criado pelo Executivo para acompanhar a crise financeira, e na segunda-feira (05), em que os parlamentares participaram da reunião dos secretários municipais.

A Vereadora Brenda, parabenizou a equipe da Prefeitura Municipal pelas atitudes tomadas, e ressaltou o trabalho da Casa Legislativa"estamos cobrando desde o início dos atrasos no repasse de verbas por parte do Governo Estadual, e muitas vezes éramos criticados por transferir responsabilidades, então infelizmente estamos nessa situação e precisamos trabalhar para reverter esse quadro".

Para o Líder do Executivo na Casa, Vereador Arlindo Antônio Carneiro (Montanha) (PSDB) a administração municipal não deve ser a única responsabilizada “sabemos da dívida do Estado com o Município e de verbas que Viçosa tem a receber. O Prefeito está em Belo Horizonte buscando recursos para solucionar as dificuldades, e nesse momento o que precisamos é de nos unir para buscar uma solução”.  

O Vereador Idelmino Ronivon (Professor Idelmino) (PCdoB) ressaltou a necessidade de união nesse momento “acima de bandeira política, de quaisquer crítica que faço, está nosso Município que passa por dificuldades e acredito que com a assinatura do Decreto o Executivo vai poder tomar medidas para solucionar o problema”.

Já o Presidente da Casa Legislativa, Vereador Carlitos Alves (Meio Kilo) (PSDB) demonstrou otimismo “temos que ter sensibilidade porque o que está em jogo é a situação de mais de oitenta mil cidadãos, mas acredito que isso vai mudar”. Carlitos ainda citou o modelo utilizado na Câmara “durante nosso mandato devolvemos mais de R$ 2 milhões, e acredito que o segredo não é arrecadar, mas saber como gastar”, afirmou.

 

Texto: Igor Gama

Revisão e foto: Mônica Bernardi

error while rendering plone.comments