Vereadores discutem salários dos Servidores Públicos

por Assessoria de Comunicação publicado 11/09/2019 12h25, última modificação 11/09/2019 14h22

O Vereador Idelmino Ronivon (Professor Idelmino) (PCdoB), a Vereadora Brenda Santunioni (Progressistas), e os vereadores Sávio José (PT), Vice-Presidente da Casa Legislativa, e Geraldo Luís Andrade (Geraldão) (PTB), utilizaram a Tribuna Livre na reunião Ordinária da terça-feira (10) para falar sobre a situação do reajuste salarial dos funcionários públicos do Município. A sessão também contou com a presença de representantes de sindicatos locais.

O Vereador Idelmino enfatizou as dificuldades encontradas para aprovação da pauta reivindicatória do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Viçosa (SINFUP) e do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) junto ao Executivo Municipal. De acordo com o parlamentar, o índice de reajuste do salário dos trabalhadores ainda não foi discutido “é uma falta de compromisso do Executivo com os nossos servidores, pois as pautas foram protocoladas no início do ano e ainda não foram discutidas”, disse. Idelmino ainda falou sobre a possibilidade de paralisação das atividades da classe “se realmente o Executivo não estiver disponível para negociar, vamos mobilizar uma paralisação de 48 horas na quinta-feira (19) e sexta-feira (20). Convido toda a população de Viçosa para amparar os trabalhadores, e todos os vinculados aos sindicatos a se mobilizarem”, disse.

A Vereadora Brenda Santunioni destacou a importância do diálogo nesse momento “precisamos fazer com que as negociações tenham caras e ideias diferentes para chegarmos a um consenso", pontuou. O Vereador Sávio demonstrou apoio às colocações do colega “o piso salarial consta em lei com a database de janeiro, já estamos em setembro e a Prefeitura ainda não deu uma resposta. São servidores que merecem respeito e lutaram muito por esses direitos”, afirmou.

O Vereador Geraldão lembrou das dificuldades financeiras atravessadas pelo Município, citando análise atuarial apresentada pelo Instituto de Previdência Municipal dos Servidores Públicos do Município de Viçosa (IPREVI) em Audiência Pública, na quinta-feira (05) “a análise demonstrou que a previdência municipal se consolidou em sérias circunstâncias. Ao longo do ano, 17 milhões foram repassados para cobrir a previdência social, o que impede o Executivo de fazer outros investimentos. É digno e legítimo falar sobre recomposição e reajuste, mas se a educação parar e receber aumento, a chance de parar as demais áreas se amplia vertiginosamente”, concluiu.

 

Texto e foto: Isabela Monteiro

Montagem: Igor Gama

Revisão: Mônica Bernardi

error while rendering plone.comments