Vereadores pedem esclarecimentos sobre a questão econômica na Pandemia

por Assessoria de Comunicação publicado 24/06/2020 12h55, última modificação 24/06/2020 13h28

A reunião Ordinária desta terça-feira (23) contou com a presença da Secretária Municipal de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Ivone Maria Pires, para que esclarecesse as estratégias, adotadas pelo Executivo, a respeito da retomada gradual do desenvolvimento econômico de Viçosa diante às circunstâncias da pandemia. Sua participação no plenário atendeu ao Requerimento nº 019/2020, de iniciativa do Vereador Geraldo Luís Andrade (Geraldão) (Avante), que, em justificativa, reforçou a necessidade da população e da Casa Legislativa de saber as discussões da Secretaria e quais as possíveis possibilidades que podem vir a serem adotadas para lidar com a crise comercial que se alastra.

Como representante da Secretaria de Desenvolvimento, Ivone destacou que Viçosa não aderiu ao Programa Minas Consciente, desenvolvido pelo Poder Estadual para lidar com o impacto do Coronavírus em vários setores, mas que está agindo conforme o plano de contingência elaborado pela própria gestão municipal. Dentre os principais meios de urgência para lidar com a pandemia, a Secretária destacou a criação do Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES Viçosa) no dia 07 de abril, a instalação das barreiras sanitárias e as parcerias com as instituições representantes da classe empresarial.

Além do mais, Ivone disse que o maior desafio no começo do isolamento social foi a gestão das barreiras sanitárias, tendo em vista a dificuldade em lidar com a administração da autorização de passagens e o número denso de funcionários que esse serviço demandou. “Tudo foi novo e agimos com a melhor das intenções desde o princípio. Já é afirmado por muitos profissionais da saúde que a medida mais eficaz é o isolamento social e tentamos implementá-la desde o princípio”, afirmou. No mais, divulgou que o Minas Fácil retomou com suas atividades, atendendo cidadãos, empreendedores e contadores para aberturas de contas, para microempreendedores individuais (MEI) e alterações contratuais e afirmou que está sendo estudada a criação de um comitê para lidar com a crise financeira e gerir o comércio vítima das consequências da pandemia.

Abrindo as discussões, o Vereador Helder Evangelista (Cherinho) (PSL) questionou quanto a perduração dos CPFs nos decretos. “Atualmente, vejo que ele apenas está dificultando os comércios de funcionarem, pois a população infelizmente não está saindo mais nas ruas apenas no dia que lhe são permitidas adentrar nos estabelecimentos. Gostaria que fosse revista esta situação, se elimina ou altera sua utilização”, questionou. Não só o parlamentar, como também seus colegas Edenilson Oliveira (PSD), Carlitos Alves (Meio Kilo) (PSDB), Sérgio Aloíso (Sérgio Construtor) (PMN) e  Geraldão questionaram a ineficiência do CPF atualmente e que sua viabilidade, do jeito que se encontra, está próxima de chegar ao fim.

Ivone alegou que a Secretaria de Desenvolvimento estava na reunião que foi acordado a adesão do CPF e afirmou que “nosso principal objetivo naquele momento era reduzir de qualquer forma o número de pessoas transitando pela cidade”. Ela ainda reforçou que depois foi-se necessário corrigir os algarismos de quarta-feira, tendo em vista o número concentrado de pessoas das sequências numéricas primeiramente listadas e alegou que agora precisa ser reavaliada toda a questão. “Levarei todas as observações a respeito para as próximas reuniões, porque agora o controle do CPF está, realmente, bastante debilitado”, disse.

A respeito da gestão das Secretarias do Poder Municipal, o Vereador Idelmino Ronivon (Professor Idelmino) (PCdoB) alegou que a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia é uma das mais deixadas de lado atualmente e questionou quanto a comunicação entre os demais órgãos. “A retomada das atividades econômicas do Município terá que ter a preocupação sanitária, lógico, mas me vem também a preocupação com a economia. Essa mediação está sendo dialogada entre todas as Secretarias?”, perguntou.

“Infelizmente minha Secretaria é a que mais sofre com relação à distribuição de recursos. Somos esquecidos e trabalhar ainda em cima de tão pouco dificulta bastante nossa eficiência. A luta por visibilidade foi decorrente por toda minha gestão”, respondeu Ivone mediante a ponderação do parlamentar e afirmou que todos os órgãos da Prefeitura estão em comunhão com as ações contra a COVID-19.

Encerrando os levantamentos de seus pares, o Vereador Antônio Elias (PODE), Presidente da Casa Legislativa, agradeceu a presença da Secretária e parabenizou a postura à frente do órgão, “mesmo com toda torcida contrária, vocês fizeram o possível para o melhor de nossa cidade e se tornaram referência para nossa região”. O Presidente ainda explanou o momento histórico de parceria entre Viçosa e a Universidade Federal de Viçosa no que diz respeito ao planejamento e bem estar de todos os viçosenses e estudantes e finalizou dizendo que “futuramente devemos elaborar sim um plano de economia pós-pandemia com a finalidade de promover uma nova cultura empresarial que esteja mais preparada para eventuais calamidades e que restaure o bem estar de todos”.

*texto do estagiário Thiago Fernandes sob supervisão de Mônica Bernardi

error while rendering plone.comments