Câmara realiza minuto de silêncio em respeito às vítimas da COVID-19

por Assessoria de Comunicação publicado 12/08/2020 11h40, última modificação 12/08/2020 11h56

Em respeito as mais de 100 mil vítimas do Coronavírus (COVID-19) e todo o descaso com vidas com a qual o Governo Federal vem apresentando, o Presidente da Casa Legislativa, o Vereador Antônio Elias Cardoso (PODE), pediu encarecidamente aos seus colegas e todos ali presentes, na reunião Ordinária da terça-feira (11), um minuto de silêncio. As pautas relacionadas à pandemia repercutiram novamente entre os parlamentares.

Dando início ao tema, o Vereador Sávio José (PT), Vice-Presidente da Casa Legislativa, demonstrou o seu respeito e solidariedade com todas as famílias que foram vítimas do Coronavírus nesse período. “100 mil mortos, que para o Governo Federal são só estatísticas, mas aos olhos dessas famílias são entes queridos que agora só ficarão em suas memórias”, salientou, triste, o parlamentar. O Presidente Antônio Elias, aproveitando logo a fala de seu colega no início da reunião, pediu um minuto de silêncio em respeito à triste fatalidade.

“Infelizmente temos um Governo Federal que desde o início tratou essa pandemia mundial como uma 'gripezinha'. Tivemos por 2 meses um Ministro da Saúde interino, logo o mínimo que o Governo deveria ter feito era respeitar os profissionais que estão à frente na situação e não ter subestimado os avisos da Organização Mundial da Saúde (OMS)”, frisou Antônio Elias.

Seguindo o assunto, o Vereador Carlitos Alves (Meio Kilo) (PSDB) apresentou um vídeo com relação a uma medida adotada por alguns médicos sobre os primeiros cuidados contra a COVID-19, complementando que “gostaria que o Executivo encaminhasse para essa Casa formalmente os procedimentos que o Município está adotando em caso de suspeita da COVID-19”. No mais, apresentou a Indicação nº 255/2020, solicitando os gastos que a Prefeitura está realizando com as barraquinhas e as grades de contenção pela cidade. O Vereador Ronildo Ferreira (DJ Ronny) (PMN) respondeu a pergunta de seu colega apresentando a Portaria nº 116/2020, da Prefeitura de Viçosa, e explicou que as primeiras medidas se dão pelo teleatendimento, sendo avaliada a locomoção do (a) suspeito (a) para um ponto clínico ou hospitalar, em caso de urgência.

Já o Vereador Geraldo Luís (Geraldão) (Avante) reforçou, novamente, a sua insatisfação com o Executivo em não honrar os pedidos da Câmara Municipal, “infelizmente venho pedir um retorno da Prefeitura Municipal com relação a nossa solicitação, que mais uma vez não tivemos, sequer, um retorno”, indagou. A reivindicação citada pelo parlamentar refere-se ao pedido de isenção da taxa de remoção de lixo das empresas que estão sem exercer a sua atividade por conta da pandemia, assinada por ele, pelo Presidente Antônio Elias e seus colegas Carlitos Alves e Helder Evangelista (Cherinho) (PSL). “Empresas estão sem usar 1 metro cúbico de água e mesmo assim estão chegando cobranças no valor de R$ 723 reais para mais. Um absurdo esse descaso com os empreendedores locais”, frisou.

Além do mais, Geraldão apresentou a sua Indicação nº 261/2020, na qual solicita a prestação de contas dos benefícios eventuais (Lei nº 2330/2013) do período de janeiro à agosto deste ano. Em justificativa, destacou que a organização das cestas básicas e outros serviços, conforme suas análises, encontra-se confusa e gostaria de saber como ela se encontra mediante esse período de pandemia. Em concordância com a pauta, o Presidente Antônio Elias mostrou-se a favor e cobrará junto à seu colega essa indicação.

Completando, o Vereador Idelmino Ronivon (Professor Idelmino) (PCdoB) pediu a colaboração do cidadão viçosense em apoiar as empresas que estão retornando agora com a flexibilização dos decretos. “Até o momento, já tivemos muitas empresas fechadas e agora, com o Executivo tentando retornar com as atividades gradualmente, é importante que valorizemos nosso comérico”, finalizou.

 

*texto do estagiário Thiago Fernandes sob a supervisão de Mônica Bernardi

error while rendering plone.comments