Vereador se reúne para discutir possível fechamento da Receita Estadual

por Assessoria de Comunicação publicado 04/04/2019 14h18, última modificação 04/04/2019 14h18

Na tarde da quarta- feira (03), o Vereador Helder Evangelista (Cherinho) (PTC) se reuniu na Casa do Empresário, para tratar sobre o possível fechamento da Agência da Receita Estadual no município de Viçosa, junto ao Superintendente de Gestão e Governança do município, Luciano Piovezan; aos prefeitos da microrregião, representantes da Casa do Empresário, da Secretaria de Fazenda, e do escritório de contabilidade Exata.

A Agência corre risco de ser fechada em função da pressão que está sofrendo pelo Governo do Estado, que está cortando gastos, dentre eles o fechamento de agências que não possuem sede própria, logo a economia seria advinda do valor deste aluguel que é pago pelo governo.

Geisla Pascini, da Secretaria de Fazenda, confirmou que esse corte está sendo realizado principalmente no que diz respeito às agências de 3 nível, estas sim estão sendo fechadas, as de 2 nível, como é o caso do município de Viçosa não estão sendo fechadas mas sim pressionadas com essa possibilidade de fechamento, por não terem uma sede própria.

A recomendação foi de que procurassem um outro imóvel, através de parcerias com o município e municípios vizinhos, já que a Receita Estadual daqui também atende outros 10 municípios da microrregião, sendo eles: Araponga, Cajuri, Canaã, Coimbra, Ervália, Paula Cândido, Pedra do Anta, Porto Firme, São Miguel do Anta e Teixeiras.

Luciano Piovezan, destacou que a Prefeitura de Viçosa está enxugando gastos e não teria condições de bancar sozinha mais essa demanda, mas estaria disposta a cotizar o valor junto as demais prefeituras.

O Presidente da Casa do Empresário, Julismar Marques Divino, pontuou que todos deveriam considerar a importância da Receita Estadual em Viçosa, e que todos os municípios ganham com a permanência dela na cidade.

O Vereador Helder complementou a fala dos colegas, alegando que diante da relevância e benefícios de se ter a Receita em Viçosa, seria uma grande perda seu fechamento. E como consequência isso afetaria não só Viçosa, mas toda sua microrregião, já que os cidadãos teriam que recorrer a Ubá para solucionar suas demandas, e o quão inviável é para alguns dos municípios irem até Ubá. “Seria muito bom que os demais municípios também pagassem, evitando que Viçosa arque sozinha por algo que representa um benefício para toda a microrregião”, afirmou.

Os presentes na reunião concordaram em dividir e arcar com as despesas do aluguel das salas ocupadas pela Receita Estadual. O valor do aluguel é de aproximadamente 4 mil reais e vale lembrar que a Receita abrange praticamente o 1º andar todo do edifício que ocupa na Travessa Tancredo Neves, nº 33, Centro.

Dos 11 municípios, apenas 4 prefeitos não estiveram presentes, logo os prefeitos de Coimbra, Pedra do Anta, Porto Firme e São Miguel do Anta receberão uma visita para receberem os devidos repasses dessa reunião.

 

Texto e Foto: Renata Bittencourt

Revisão: Mônica Bernardi

error while rendering plone.comments